quarta-feira, 31 de março de 2010

Se Ligue


Lutero


Conversação


Naturalmente, porque estes dias de insatisfação, as pessoas que de ti se acercam trazem, quase sempre, comentários negativos e observações deprimentes.

Surgem, nas conversas, apontamentos depreciativos que chamuscam a honra alheia, quando não lhes atiram lama na conduta que invejam.

Intrigas urdem vinganças sórdidas, entre sorrisos e sarcasmos, gerando inquietação, soprando suspeitas ignóbeis.

Assuntos triviais tomam o tempo e expressões chulas, com anedotário vulgar, entorpecem a razão, mantendo psicosfera doentia.

Quando te vejas envolvido pelo clima das conversações nefastas, muda de assunto, propõe tema diferente, conciliador, edificante, substituindo a vulgaridade e o pessimismo, que devem ceder espaço ao conhecimento da beleza e da verdade.

As conversas vis envenenam aqueles que as sustentam, enquanto vilipendiam vidas outras que padecem constrições e vivem situações difíceis buscando superá-las a contributo de muito sacrifício.

Seja tua a palavra de gentileza e de esperança em qualquer situação.

Entretece comentários respeitosos e educa os que te compartem as palavras, gerando otimismo e fraternidade a todo momento.

Episódio Diário
Divaldo Franco
Espírito Joanna d Ângelis

5ª aula- G.E.Estudos e Trabalhos Mediúnicos

Os Centros de Força e a Glândula Pineal


O que são os centros força

O perispírito está intimamente regido por vários centros de força que trabalham vibrando uns em sintonia com os outros, sob o poder diretor da mente. A mente é que determina o funcionamento mais ou menos equilibrado destes centros de força e são eles que dão condições para que o perispírito desempenhe as suas várias funções. É através dos centros de força que são levadas as sensações do corpo físico para o Espírito, pois são eles que captam as energias e as influências exteriores.
Os centros de força são também denominados de discos energéticos e centros vitais, mas são vulgarmente conhecidos pelo nome de chacras, por causa das filosofias orientais.
A localização corresponde aos plexos no corpo físico.

Plexos= são feixes nervosos do corpo físico onde há maior concentração de nervos.

Chacra

É palavra sânscrita que significa “roda”, pois eles têm forma circular com mais ou menos 5 cm de diâmetro, possuem vários raios de ação que giram, incessantemente, com a passagem da energia, lembrando um ventilador em movimento.
São eles que distribuem, controlam e dosam as energias que o nosso corpo físico necessita, como também regulam e sustentam os sentimentos, as emoções, e alimentam as células do pensamento.

Como funciona

O Fluido Cósmico Universal ao ser absorvido é metabolizado pelo centro coronário, em fluido espiritual - uma energia vitalizadora - imprescindível para a dinâmica do nosso corpo físico, sentimentos, emoções e pensamentos.
Após a metabolização, essa energia circula pelos outros centros de força e é canalizada através da rede nervosa para todo o organismo com maior ou menor intensidade de acordo com o estado emocional da criatura, porque eles estão subordinados a impulsos da mente, irradiando-se, posteriormente, em seu derredor, formando a nossa aura.

Aura

É uma espécie de espelho fluídico capaz de refletir o que se passa no campo psíquico. Ela reflete o nosso estado de Espírito.

Desequilíbrio dos chacras

Hábitos, conduta e ações nocivas, todos os atos contrários às Leis Divinas, tornam os chacras desequilibrados e comprometem o funcionamento harmonioso do conjunto.
Exemplo:
maledicência, calúnia => desequilibra o centro de força laríngeo;
sentimentos inferiores (inveja, ciúme, egoísmo, vaidade, mágoa) => desequilibram o centro de força cardíaco;
sexo sem amor, sem respeito ou sem responsabilidade => desequilibra o centro de força genésico.

Equilíbrio dos chacras

Quanto mais equilibrados e harmônicos entre si, mais saúde física e psíquica para a criatura e maior carga de energias ou forças vitalizadoras teremos para doar no processo de irradiação.
O equilíbrio para os nossos chacras conseguiremos através da reforma íntima, pela reforma moral, através do burilamento das nossas facetas negativas, procurando desfazer-nos das imperfeições que ainda trazemos dentro de nós.

Os chacras
São sete os principais centros de força:
a) Centro Coronário
b) Frontal ou Cerebral
c) Laríngeo
d) Cardíaco    
e) Esplênico
f) Gástrico ou Umbilical                                              
g) Genésico ou  Básico
obs: para maiores informações sobre o chacras clik no link: chacras

A Glândula Pineal

Na época em que Kardec codificou o Espiritismo pouco se conhecia da anatomia e estrutura microscópica da pineal e muito menos ainda de suas funções. Com o avanço da Ciência, porém, houve condições de recebermos informações mais amplas dos Espíritos
Através das obras complementares da codificação. André Luiz é, sem dúvida alguma, o autor espiritual que mais amplas elucidações nos faz sobre o assunto.
André Luiz estudando um médium psicógrafo com o instrutor Alexandre, observa a epífise - ou pineal - do médium que está a emitir intensa luminosidade azulada, e o instrutor Alexandre esclarece:
"No exercício mediúnico de qualquer modalidade, a pineal desempenha o papel mais importante.(Missionários da Luz. Cap. I e II)

Mais sobre: Glândulas Pineal e Epífise

Bibliografia
1) Livro dos Médiuns - Allan Kardec
2) Missionários da Luz - André Luiz / Chico Xavier
3) Evolução em Dois Mundos - André Luiz / Chico Xavier
4) Grilhões Partidos - Manoel Philomeno de Miranda / Divaldo Franco
5) Entre a Terra e o Céu - André Luiz / Chico Xavier
6) Forças Sexuais da Alma - Jorge Andréa
7) Nos Alicerces do Inconsciente - Jorge Andréa

Canção

As vezes as pessoas cantam por solidão,

ou felicidade,

Eu canto por felicidade.

A canção me deu inspiração,

me deu felicidade,

me deu paz,

me deu emoção.

Faça que isso aconteça com você,

Pense numa canção e demonstre sua emoção.

Catherine Ariadne
(9 anos)

Mais um Dia!!


Que a Paz e o Amor do Mestre Jesus, envolva-nos hoje e sempre!
Abraço Angel



Reino dos Gifs, muito mais gifs para você
 

terça-feira, 30 de março de 2010

Projeção de Pensamento

Apelo de Amigo

Não se deprecie. Não diga que você não merece a bênção de Deus.Atendamos à realidade.
Se a Divina Providência não confiasse em você, não teria você em mãos tarefas importantes quanto estas:
- uma criatura querida a proteger;
- alguém a instruir;
- uma casa a sustentar;
- o doente para assistir;
- uma profissão a exercer;
- esse ou aquele encargo mesmo dos mais simples;
- algum ensinamento a compor;
- essa ou aquela atividade de auxílio aos semelhantes;
- algum trato de terra a cultivar;
- determinada máquina para conduzir.
Se a sabedoria da Vida nada esperasse de você não lhe teria doado tantos recursos, quais sejam:
- a inteligência lúcida que auxilia a discernir ocerto do errado;
- a noção do Bem e do Mal;
- as janelas dos cinco sentidos;
- a capacidade mental cuja as manifestações você pode aprimorar ao infinito, empregando o esforço próprio;
- a visão do corpo e da alma com que você realiza prodígios de observação e de análise;
- a palavra, que você é capaz de educar, e com a qual você encontra as maiores possibilidades de renovar o próprio destino;
- a audição com que recolhe mensagens de todos os setores da existência tão só pelo registro de sons diferentes;
- as mãos que lhe complementam os braços, expressando-se por antenas hábeis de serviço;
- as faculdades genéticas que, iluminadas pelo amor e dirigida pelo senso de responsabilidade, lhe conferem poderes incomparáveis de criatividade nos domínios do corpo e do espírito;
- os pés que transportam você, atendendo-lhe a vontade.
Se você detém maiores áreas de ação ou usufrui vantagens mais amplas, no que se reporta aos encargos e benefícios aqui relacionados, então você já obteve significativas promoções no quadro da vida.
Quanto a imperfeições ou deficiências que ainda nos marquem, convém assinalar que estamos em evolução na Terra, sem sermos espíritos perfeitos.
Reflitamos nisso e aceitemo-nos como somos, procurando melhorar-nos e, ao melhorar-nos, estaremos construindo o caminho certo para a Espiritualidade Maior.

E a vida Continua
Chico Xavier

Desobsessão

“E perguntou-lhe Jesus, dizendo: “Qual é o teu nome?” E ele disse: “Legião”, porque tinham entrado nele muitos demônios.” — LUCAS, versículo 8, capítulo 30.

Atendendo ao trabalho da desobsessão nos arredores de Gádara, vemos Jesus a conversar fraternalmente com o obsesso que lhe era apresentado, ao mesmo tempo que se fazia ouvido pelos desencarnados infelizes.

Importante verificar que ante a interrogativa do Mestre, a perguntar-lhe o nome, o médium, consciente da pressão que sofria por parte das Inteligências conturbadas e errantes, informa chamar-se “Legião”, e o evangelista acrescenta que o obsidiado assim procedia “porque tinham entrado nele muitos demônios”.

Sabemos hoje com Allan Kardec, conforme palavras textuais do Codificador da Doutrina Espírita, no item 6 do capítulo 12º, “Amai os vossos inimigos”, de “O Evangelho segundo o Espiritismo”, que “esses demônios não são mais do que as almas dos homens perversos, que ainda se não despojaram dos instintos materiais”.

No episódio, observamos o Cristo entendendo-se, de maneira simultânea, com o médium e com as entidades comunicantes, na benemérita empresa do esclarecimento coletivo, ensinando-nos que a desobsessão não é caça a fenômeno e sim trabalho paciente do amor conjugado ao conhecimento e do raciocínio associado à fé.

Seja no caso de mera influênciação ou nas ocorrências da possessão profunda, a mente medianímica permanece jugulada por pensamentos estranhos a ela mesma, em processos de hipnose de que apenas gradativamente se livrará.

Daí ressalta o imperativo de se vulgarizar a assistência sistemática aos desencarnados prisioneiros da insatisfação ou da angústia, por intermédio das equipes de companheiros consagrados aos serviços dessa ordem que, aliás, demandam paciência e compreensão análogas às que caracterizam os enfermeiros dedicados ao socorro dos irmãos segregados nos meandros da psicose, portas a dentro dos estabelecimentos de cura mental.

...a alienação mental dos Espíritos desencarnados exige o concurso fraterno de corações amigos, com bastante entendimento e bastante amor para auxiliar nos templos espíritas, atualmente dedicados à recuperação do Cristianismo, em sua feição clara e simples.

...através dos colaboradores de todas as condições, rogamos ao Senhor nos sustente a todos — tarefeiros encarnados e desencarnados — na obra a realizar, porqüanto obsidiados e obsessores, consciente ou inconscientemente arrojados à desorientação, no mundo ou além do mundo, são irmãos que nos pedem arrimo, companheiros que nos integram a família terrestre, e o amparo à família não é ministério que devamos relegar para a esfera dos anjos e sim obrigação intransferível que nos compete abraçar por serviço nosso.

EMMANUEL
Uberaba, 2 de janeiro de 1964
(Página recebida pelo médium Francisco Cândido Xavier.)
Trechos retirados do livro: Desobsessão

Emmanuel

Oração e provação

A oração não suprime, de imediato, os quadros da provação, mas renova-nos o espírito, a fim de que ve­nhamos a sublimá-los ou removê-los.
Repara o caminho que a névoa amortalha, quando a noite escura te distancia do Sol.
Em cima, nuvens extensas furtam-te aos olhos o painel das estrelas e, em baixo, espinheiros e precipícios ameaçam-te os pés.
Debalde, consultarás a bússola que a treva densa embacia.
Se avanças, é possível te arrojes na lama de covas escancaradas; se paras, é provável padeças o assalto de traiçoeiros animais...
Faze, porém, pequenina luz, e tudo se modifica.
O charco não perde a feição de pântano e a pedra mantém-se por desafio que te adverte na estrada; en­tretanto, podendo ver, surgirás, transformado e seguro, para seguir à frente, vencendo as armadilhas da sombra e as aperturas da marcha.
Assim, também, é a oração nos trilhos da expe­riência.
Quando a dor te entenebrece os horizontes da alma, subtraindo-te a serenidade e a alegria, tudo parece es­curidão envolvente e derrota irremediável, induzindo-te ao desânimo e insuflando-te o desespero; todavia, se acendes no coração leve flama da prece, fios imponderáveis de confiança ligam-te o ser à Providência Divina.
Exteriormente, em torno, o sofrimento não se des­faz da catadura sombria; a morte, ainda e sempre, é o véu de dolorosa separação; a prova é o mesmo teste inquietante e o golpe da expiação continua sendo a luta difícil e inevitável, mas estarás, em ti próprio, plena­mente refeito, no imo das próprias forças, com a visão espiritual iluminada por dentro, a fim de que compreen­das, acima das tuas dores, o plano sábio da vida, que te ergue dos labirintos do mundo à bênção do amor de Deus.

Do capítulo 33 do livro Religião dos Espíritos, de Emmanuel
 obra psicografada pelo médium Francisco Cândido Xavier.

Bom Dia Amigos

Estão preparados para mais um dia de aprendizado e superação?
Com certeza muito de nós falará, não!
Mas não tem outro jeito, ainda estamos encarnados, e até que o Pai nos chame, temos que continuar nossa caminhada terrena, então se é inevitável, e não podemos voltar para "casa", vamos viver os momentos, e fazer da nossa passagem por aqui, algo para ser lembrado por nós e por aqueles que dividiram conosco essa existência. Se tudo aqui deixamos, e só levamos o que podemos carregar dentro do nosso coração, então que tal colocarmos mais bagagem nele? alguns sentimentos ocupam muito espaço, e torna nosso coração pesado, é bom retirá-los. São eles: raiva, vingança, egoísmo, inveja. Outros, pode se colocar a vontade, pois são leves e nos deixa feliz: amor, amizade, carinho, compreensão.
Sabe, quando temos pessoas para compartilhar conosco, principalmente o nosso sofrimento, as angústia, as dúvidas, tudo se torna mais leve.
Qualquer coisa é mais tolerável se não tivermos que suportá-lo sozinho! O sofrimento pode nos tornar melhores ou mais amargos, é uma questão de como você vai fazer uso deste aprendizado.Não que tenhamos que sofrer para aprender, mas que o sofrimento na Terra é inevitável, faz parte da missão de cada um. Jesus, nos demonstrou qual é a maneira de sobreviver ao sofrimento, Ele nunca perdeu sua ligação com Deus, Ele não tentou passar sozinho pelo sofrimento. Então se permitirmos que Deus permaneça conosco no sofrimento,ficaremos mais fortalecidos.
E busquemos os verdadeiros amigos para nós ajudar, ninguém consegue ser feliz sozinho.
Tudo fica mais fácil e melhor quando compartilhamos!

abraço Angel

segunda-feira, 29 de março de 2010

Chico Xavier






Pacificar

Não perturbe. Tranqüilize.

Não Grite. Converse.

Não critique. Auxilie.

Não acuse. Ampare.

Não se irrite. Sorria.

Não fira. Balsamize.

Não se queixe. Compreenda.

Não condene. Abençoe.

Não exija. Sirva.

Não destrua. Edifique.

Recorde: a Humanidade é uma coleção de grupos e a paz do grupo de corações a que pertencemos começa de nós
 
Respostas da Vida
Chico Xavier

Disciplina no Centro Espírita


O problema da disciplina no Centro Espírita é dos mais melindrosos e deve ser encarado entre as coordenadas da ordem e da tolerância. Não se pode estabelecer e manter no Centro uma disciplina rígida, de tipo militar. O Centro é além de tudo o que já vimos, um instrumento coordenador das atividades espirituais.

Questão do horário é imperiosa, mas não deve sobre-por-se as exigências do amor fraterno. Não é justo deixarmos fora da sessão companheiros dedicados ou necessitados, porque chegaram dois ou três minutos atrasados. Vivemos num mundo material e não espiritual, em que as pessoas lutam com dificuldades várias no tocante à locomoção, de compromissos diversos, e é justo que se dê uma pequena margem de tolerância no horário.

As almas fortes

As mais apegadas ao problema disciplinar. As almas fortes são aquelas que procedem de linhas evolutivas em que os espíritos se aperfeiçoam no uso da independência e da coragem. Por isso mesmo trazem consigo um condicionamento disciplinar que não aceita facilmente as concessões a que aludimos. Uma palavra rude de uma alma forte, embora não intencional, pode ferir a susceptibilidade de uma alma frágil, prejudicando-a no seu equilíbrio por uma insignificância.

Os dirigentes de trabalhos devem cuidar de evitar esses pequenos atritos que não raro têm conseqüências muitas maiores do que se pensa.

Por outro lado, as almas fortes precisam controlar os seus impulsos pelo pedido consciencial da fraternidade. Há pessoas que, por se sentirem mais fortes, decisivas e poderosas que as outras, embriagam-se com a ilusão do poder, desrespeitando os direitos alheios e sobrepondo-se, com rompança às opiniões dos outros.

Atitudes dessa natureza, no meio espírita e no Centro, causam má impressão e constrangimento no ambiente, fomentando malquerenças desnecessárias.

Em se tratando de Espiritismo, tudo se deve fazer para manter-se um ambiente de compreensão e fraternidade, sem exageros, tocado o possível de alegria e camaradagem. Num ambiente assim arejado, desprovido de tensões, a espiritualidade flui com facilidade e os Espíritos orientadores encontram mais oportunidade de tocar os corações e iluminar as mentes.

Retirado:
Livro: O Centro Espírita – J. Herculano Pires

O Porquê da Vida

Quem é que, nas horas de silêncio e recolhimento, nunca interrogou à natureza e ao seu próprio coração, perguntando-lhes o segredo das coisas, o porquê da vida, uma razão de ser do universo?
Onde está aquele que jamais procurou conhecer seu destino, levantar o véu da morte, saber se Deus é uma ficção ou uma realidade?
Não seria um ser humano, por mais descuidado que fosse, se não tivesse considerado, algumas vezes, esses tremendos problemas.

A dificuldade de os resolver, a incoerência e a multiplicidade das teorias que tem sido feitas, como deploráveis conseqüências que decorrem da maior parte dos sistemas já DIVULGADOS, todo esse conjunto confuso, fatigando o espírito humano, tem relegado-os à indiferença e ao ceticismo.

Portanto, o homem tem necessidade do saber, da luz que esclareça, da esperança que consola, da certeza que o guie e sustente. Mas tem também os Meios para conhecer, uma possibilidade de ver a verdade se estacar das trevas e o inundar de sua benfazeja luz.

Para isso, deve se desligar dos sistemas preconcebidos, descer ao fundo de si mesmo, ouvir a voz interior que nos fala a todos, e que os sofismas não podem enganar: a voz da razão, a consciência da Voz.

Assim tenho feito. Refleti por muito tempo, meditei sobre os problemas da vida e da morte e com perseverança sondei esses profundos abismos. Dirigi à Eterna Sabedoria um ardente apelo e Ela me respondeu, como sempre responde a todos.

Léon Denis

Bom Dia

AO LEVANTAR-SE

Agradeça a Deus a bênção da vida, pela manhã.

Se você não tem o hábito de orar, formule pensamentos de serenidade e otimismo, por alguns momentos, antes de retomar as próprias atividades.

Levante-se com calma.

Se deve acordar alguém, use bondade e gentileza, reconhecendo que gritaria ou brincadeiras de mau gosto não auxiliam em tempo algum.

Guarde para com tudo e para com todos a disposição de cooperar para o bem.

Antes de sair para a execução de suas tarefas, lembre-se de que é preciso abençoar a vida


para que a vida nos abençõe.
 
Livro: Sinal Verde
Chico Xavier

sábado, 27 de março de 2010

Qual destas doutrinas é preferível?


Um moço de dezoito anos, afetado de uma enfermidade do coração, foi declarado incurável.
A Ciência havia dito:
"Pode morrer dentro de oito dias ou de dois anos, mas não irá além".
Sabendo-o, o moço para logo, abandonou os estudos e entregou-se a excessos de todo o gênero.
Quando se lhe ponderava o perigo de uma vida desregrada, respondia:
Que me importa, se não tenho mais de dois anos de vida?
De que me serviria fatigar o espírito?
Gozo o pouco que me resta e quero divertir-me até ao fim.

 Eis a conseqüência lógica do niilismo.

Se este moço fora espírita, teria dito:

A morte só destruirá o corpo, que deixarei como fato usado, mas o meu Espírito viverá.
Serei na vida futura aquilo que eu próprio houver feito de mim nesta vida; do que nela puder adquirir em qualidades morais e intelectuais nada perderei, porque será outro tanto de ganho para o meu adiantamento; toda a imperfeição de que me livrar será um passo a mais para a felicidade.
A minha felicidade ou infelicidade depende da utilidade ou inutilidade da presente existência.
É portanto de meu interesse aproveitar o pouco tempo que me resta, e evitar tudo que possa diminuir-me as forças.

Qual destas doutrinas é preferível?


Livro: O Céu e O Inferno – cap.I
Allan Kardec

Guerras


742. Qual a causa que leva o homem à guerra?
— Predominância da natureza animal sobre a espiritual e a satisfação das paixões. No estado de barbárie, os povos só conhecem o direito do mais forte, e é por isso que a guerra, para eles, é um estado normal. À medida que o homem progride, ela se torna menos freqüente, porque ele evita as suas causas e, quando ela se faz necessária, ele sabe adicionar-lhe humanidade.

743. A guerra desaparecerá um dia da face da Terra?
— Sim, quando os homens compreenderem a justiça e praticarem a lei de Deus. Então todos os povos serão irmãos.

744. Qual o objetivo da Providência ao tornar a guerra necessária?
— A liberdade e o progresso.

(744 – a) Se a guerra deve ter como efeito conduzir à liberdade, como se explica que ela tenha geralmente por fim e por resultado a escravização?
— Escravização momentânea para sovar os povos, a fim de fazê-los andar mais depressa.

745. Que pensar daquele que suscita a guerra em seu proveito?
— Esse é o verdadeiro culpado e necessitará de muitas existências para expiar todos os assassínios de que foi causa, porque responderá por cada homem cuja morte tenha causado para satisfazer a sua ambição.

Cap.VI – Lei de Destruição
Item III - guerras

Mundo de Regeneração

“Bem- aventurados os mansos, porque eles herdarão a terra”. Mateus, 5:5

Devemos entender que a Terra, esta caminhando para ser um mundo de regeneração, será a morada futura dos espíritos bons que nela estão encarnados, pois os maus não poderão retornar mais aqui, e sim para um planeta inferior, que esteja de acordo com o seu grau evolutivo.
Neste momento na Terra encontramos os que espalham o mal e os que semeiam o bem.
Então já sabemos em qual grupo queremos ficar!
Jesus nos aconselhou a pagar o mal com o bem, não devemos retribuir o mal com o mal.
Pode ser mínimas nossa boas ações, mas elas contribuirão muito para a melhora do nosso planeta. Como aquela avezinha que molhava suas asas tentando apagar um incêndio da floresta, mesmo ela sabendo que sozinha não conseguiria apagar o incêndio, ela tinha consciência de que estava fazendo a parte dela. Quem sabe se cada um de nós tentarmos ser como a avezinha, somando nossos esforços contribuiremos para a melhoria do mundo, fazendo com que ele se torne mais rápido, esse mundo de regeneração que tanto queremos.
Angel

O Medo de se Conhecer

Há muitas pessoas que temem as mudanças mesmo que ela impliquem uma abertura para algo melhor ou mais verdadeiro.
Eis aqui alguns dos disfarces mais utilizados pelo medo: timidez, pessimismo, ceticismo.
Mas talvez o mais importante seja o medo de se conhecer.

Muitos estudiosos do ser acreditam que o medo do autoconhecimento, na verdade, está enraizado no próprio medo de fazer. Há um desejo oculto de não querer saber para não ter que fazer e, por conseqüência, nada para assumir. E, neste propósito estagnador, continuar o sujeito a dar guarida para inação, para dependência, inegável vestígio da irresponsabilidade.

Na verdade, muitos ainda estão a procura de alguém, de uma instituição, de um lugar que lhes digam o que é certo e o que é errado. Logo, de alguém ou de algo que os isente do exercício da liberdade.

É interessante observar que somente a responsabilidade pelas próprias escolhas e atos, é apta a personalizar o individuo e fazê-lo livre. Ainda, cada passo dado em direção a escuta do próprio mundo interior, com todas as dúvidas, aflições e resoluções que isto pressupõe, é sinal de avanço rumo à identidade, segundo as exigências da diferenciação.

Em nossas existências, quantas vezes não ficamos apegados aos estáveis refúgios das mesmices, no lugar de corrermos o risco das mudanças, que poderão ser salutares e nos fazer pessoas melhores?

"Preferimos nos arruinar a mudar.
Morrer nas garras de nossos pavores
Que subir à cruz do momento.
E deixar que nossas ilusões morram".

Há um ditado que diz: “dize-me o que tanto temes e te direi o que deseja”

Devemos aprender a não ter medo do nosso medo, pois somente assim nos tornaremos mais livres e mais verdadeiros.


Trechos retirados:
O semeado/09
Eugenia Pickina

Dia de Aprender e Amar

Bom dia amigos

Mais um dia de oportunidades para sermos melhores e mais felizes.
Por mais difícil que esteja sendo nossa missão terrena, quando a gente põe amor a vida, e faz aquilo de que gosta, o difícil se torna mais fácil.
Somos as estrelas da vida, porque nosso Pai nos criou e nos ofereceu o mundo com o encanto da natureza. Ele faz nascer, brotar os alimentos do chão, para nos alimentar, plantamos e tiramos da terra o nosso pão.
Ele nos quer ver sorrindo, cantando e chorando de alegria e emoção. Porque dentro de nós existe o relógio da vida, chamado Coração.
Coloque a mão no seu coração e sinta que através das batidas ele está escrevendo para você a linguagem do amor, o qual podemos mostrar através dos gestos e olhares, esse amor, que nos foi colocado no dia em que nascemos para a eternidade.
E a maior prova de que você ama a sua vida e luta por ela, é abraçar as oportunidades, ter esperanças, e dizer "eu quero", "eu posso", "eu faço". Porque Deus quer que você faça. Fomos gerados e viemos ao mundo para brilhar com ela.


abraço Angel

sexta-feira, 26 de março de 2010

Busquemos a Eternidade


"...ainda que o homem exterior se corrompa, o interior, contudo, se renova dia a dia." - Paulo. II CORÍNTIOS, 4:16

Não te deixes abater, ante as alterações do equipamento físico.
Busquemos a Eternidade.
Moléstias não atingem a alma, quando não se filiam aos remorsos da consciência.
A velhice não alcança o espírito, quando procuramos viver segundo a luz da imortalidade.
Juventude não é um estado da carne. Há moços que transitam no mundo, trazendo o coração repleto de pavorosas ruínas.
Lembremo-nos de que o homem interior se renova sempre. A luta enriquece-o de experiência, a dor aprimorar-lhe as emoções e o sacrifício temperam-lhe o caráter.
O espírito encarnado sofre constantes transformações por fora, a fim de acrisolar-se e engrandecer-se por dentro.
Recorda que o estágio na Terra é simples jornada espiritual.
Assim como o viajante usa sandálias, gastando-as pelo caminho, nossa alma apropria-se das formas, utilizando-as na marcha ascensional para a Grande Luz.
Descerra, pois, o receptor de teu coração à onda sublime dos mais nobres ideais e dos mais belos pensamentos e aprendamos a viver longe do cupim do desânimo, e nosso espírito, ainda mesmo nas mais
avançadas provas da enfermidade ou da senectude, será como sol radiante, a exteriorizar-se em cânticos de trabalho e alegria, expulsando a sombra e a amargura, onde estivermos.


Livro: Fonte Viva
Chico Xavier
Espírito Emmanuel

Evocação dos "Mortos"

Jesus, e os espíritos de Moisés e Elias
As evocações espíritas não consistem, como alguns imaginam, em fazer voltar os mortos com um aspecto lúgubre da tumba. Não é senão nos romances, nos contos fantásticos de fantasmas e no teatro que se vêem os mortos descarnados saírem de seus sepulcros vestidos de lençóis e fazendo estalar seus ossos.

A crítica malevolente procura representar as comunicações espíritas como cercadas e práticas ridículas e supersticiosas da magia e da necromancia. Diremos simplesmente que não há, para se comunicar com os Espíritos, nem dias, nem horas, nem lugares mais propícios uns do que os outros; que não é preciso para evocá-los, nem fórmulas, nem palavras sacramentais ou cabalísticas; e não há necessidade de nenhuma preparação, de nenhuma iniciação; que o emprego de qualquer sinal ou objeto material, seja para atraí-los, seja para afastá-los, não tem efeito e o pensamento basta; enfim, que os médiuns recebem suas comunicações tão simplesmente e tão naturalmente como se fossem ditadas por uma pessoa viva, sem sair do estado normal. Só o charlatanismo poderia tomar maneiras excêntricas e adicionar acessórios ridículos.

As comunicações inteligentes, que se recebem dos Espíritos, podem ser boas ou más, justas ou falsas, profundas ou levianas, segundo a natureza dos Espíritos que se manifestam. Os que provam a sabedoria e o saber são Espíritos avançados que progrediram; os que provam a ignorância e as más qualidades, são Espíritos ainda atrasados, mas que progredirão com o tempo.

Os Espíritos são livres; se manifestam quando querem, a quem lhes convêm, e também quando podem, porque não têm sempre a possibilidade. Eles não estão às ordens e ao capricho de quem quer que seja, e não é dado a ninguém fazer com que venham contra sua vontade, nem fazê-los dizer o que querem calar; de sorte que ninguém pode afirmar que um Espírito qualquer virá ao seu chamado em um momento determinado, ou responderá a tal ou tal pergunta. Dizer o contrário, é provar ignorância absoluta dos princípios mais elementares do Espiritismo; só o charlatanismo tem fontes infalíveis.

Livro: O resumo das leis dos Fenômenos Espíritas
por : Allan Kardec
tradução: Salvador Gentile

Ao pequeno Espírita

A Gratidão da abelha

Numa aldeia distante, próxima a uma grande floresta, morava Fábio, um garoto de oito anos. A família vivia do trabalho do pai, que era lenhador.

Certa manhã chuvosa, Fábio não pode sair de casa para brincar no quintal, e pela vidraça da janela do seu quarto, distraia-se a observar a chuva que caía pesada.

Nisso o menino viu uma pequena abelha que havia ficado presa dentro de casa. A abelhinha ansiava por sair e batia-se de encontro ao vidro, Vãos em Esforços para recuperar a liberdade.

- Uma abelha! - Gritou, já pensando que ela poderia picá-lo, e ele sabia bem como picada de abelha é dolorosa.

O primeiro impulso foi o de Fábio de matá-la. Levantou a mão para esmagá-la de encontro ao vidro, mas o pequenino ser Fitou-o e ele notou um medo muito grande nos olhinhos dela, que pareciam lhe dizer:

- Tenha piedade!

Então pensando na situação daquela abelhinha, presa ali, sem poder voar, seu coração generoso encheu-se de compaixão.

Abriu uma vidraça da janela e deixou que ela voasse livre.

Alçando voo, a pequena abelha parou um momento no ar, como bater um asinhas como se lhe dissesse:

-  Obrigada, meu amigo.Deus lhe pague!

Alguns dias depois, Fábio resolveu dar um passeio pela floresta, em busca do pai que estava internado na mata, a cortar lenha.

Procurando pelo pai, o garoto foi entrando cada vez mais na floresta e acabou por se considerar perdido.

- Não consigo encontrar meu pai! E como vou voltar para casa? Não sei o caminho! - Murmurava consigo mesmo.

Tardiamente Fábio se arrependeu do que fizera. Saíra de casa sem conhecimento da sua mãe e agora não sabia o que fazer. E não iriam procurá-lo, uma vez que ninguém sabia onde ele estava.

Gritou pedindo por socorro até perder o fôlego, mas não obteve resposta.

Cansado, sentou-se para descansar sob uma árvore.

Chorou ... Chorou muito. Estava assustado. A noite não tardaria e os animais ferozes Poderiam atacá-lo.

Nesse instante, ouviu um ruído um zum seu lado: ... zum .... zum ....

Olhou e viu uma abelha. Lembrou-se da abelhinha que salvará, e pensou alto, vendo-a bater as asinhas, parada no ar, a fitá-lo.

- Quem poderá me ajudar? - Ele disse.

Parecendo entendê-lo, pousou no ombro dele com cuidado, e ele sentiu-se confortado com a estranha companhia.

A abelhinha voou para o tronco da árvore e ele percebeu que ali era sua casa, pois que ali existia uma Colméia.

As abelhas saíram da Colméia-se e puseram-se a voar ao seu redor, mas Fábio não sentiu medo. Ele percebeu que eram suas amigas e não queriam fazer-lhe mal.

Estava faminto e alimentou-se do mel existente na colméia.

Quando a noite chegou, o menino ficou tranquilo porque notou que os animais selvagens não se aproximavam das abelhas com medo. A menor tentativa de aproximação, e elas avançavam e punham a correr o animal perigoso.

Assim, Fábio passou a noite protegido por suas amigas, as abelhas.

No dia seguinte, logo cedo, seu pai saiu a procurá-lo, liderando um grupo de buscas. Para sua surpresa, encontrou Fábio dormindo placidamente.

Os homens ficaram bastante espantados ao vê-lo são e salvo. Então, Fábio lhes contou como fora protegido pelas abelhinhas, gratas por ele ter salvado a vida de uma de suas irmãs.

Abraçando o filho, contente e aliviado, o pai acentuou convicto:

- Meu filho, toda ação tem um retorno, que pode ser mau ou bom, Dependendo do que fizermos. Nesse caso, ajudando uma abelhinha, você mereceu ser ajudado por elas também. É lei da vida: tudo que semeamos, colhemos. É por isso que devemos pensar muito bem naquilo que fazemos aos outros é à nós mesmos.

Fábio ficou pensativo, imaginando o que poderia ter acontecido se tivesse sido outra sua reação ao ver uma abelhinha na vidraça.

 Célia Xavier Camargo

Você Concorda ?



Trecho tirado do livro:

Das Areias da Praia às Estrelas

Sobre o Passe espiritual, diálogo entre Gabriela, espírito em aprendizado no plano espiritual e o instrutor.
Na colônia
Instrutor - É uma transfusão energética de amor, com ele as pessoas se harmonizam, livram-se dos pesos espirituais que lhes sobrecarregam a mente e a alma. Sua aplicação é muito simples, está diretamente ligada ao sentimento elevado de quem aplica independente de quem o recebe.

Gabriela – Não entendo o que está explicando, se o passe é apenas um processo de transmissão de energias, porque as pessoas que os recebem têm que se postar em posição adequada; se lhes é solicitado que elevem seus pensamentos, que entrem num estado alfa espiritual para facilitar as coisas?

Instrutor – Gabriela, cada coisa há seu tempo, ainda temos passistas que se utilizam de princípios corretos e verdadeiros, que aparentam ser rituais, que sem sombra de dúvida facilitam a emissão/recepção, mas necessariamente, há outras formas de se aplicar um passe, principalmente em emergências.

Gabriela – Tenho estado em permanente contato com trabalhos de passes no orbe e vejo que há uma insistência muito grande para a parte ritualística do passe...

Instrutor – Não vamos chamar a forma de aplicação de ritualística; não é, nosso maior desafio,... é transmitir aos encarnados o principio de que a doutrina é evolucionista, evolui com o tempo e com o desenvolvimento do ser humano.

Gabriela – Não entendi, penso que a doutrina é doutrina, e que suas leis são imutáveis, sempre iguais em todo o tempo...

Instrutor – Em princípio, sim, mas veja que o homem de hoje é diferente do homem de 50 anos atrás, se você adentrar a personalidade humana verá que houve uma mudança radical no pensamento humano e a doutrina tem que acompanhar essa mudança, para não ficar parada no tempo, perdida, sem utilidade.

Gabriela – Hoje, ou estou com dificuldade de aceitar as coisas com facilidade, ou você está tentando me confundir, talvez até esteja me testando. O homem é tão igual ao de cinqüenta ou mais anos atrás, sem dúvida.

Instrutor – Gabriela é aí que você se engana, o homem de hoje é cibernético, tem informações do mundo quase que imediatamente, em átimos de tempo, no chamado tempo real, diferentemente de cinqüenta anos atrás, quando as notícias demoravam a chegar mesmo com a existência do rádio, porque até chegarem ao rádio percorriam um longo caminho, às vezes dias. Hoje, ao contrário, sempre há um câmera voltada para qualquer fato que ocorra. Então o homem armazena uma grande quantidade de informações, que no passado, recente, nem eram consideradas.

Gabriela – Bem e a doutrina, onde entra nessa história?

Instrutor – No fato de que tem que estar em dia com a velocidade dos tempos.

Gabriela – Continuo sem entender.

Instrutor – O que mudou Gabriela, não é a forma da aplicação da doutrina, ela sempre existiu, o que mudou foi à necessidade de estar-se dentro do que é aceitável para o homem moderno, no caso do passe, não é o receptor que evolui, é o aplicador que se desenvolveu.
... Tanto você pode aplicar um passe sem qualquer “ritual”, como um encarnado também pode; tudo é uma questão de estar imbuído do desejo de servir ao próximo, como ensinou Jesus nos evangelhos, “ama o seu próximo como a si mesmo”

Gabriela - Estou surpresa, muito surpresa. Na prática, há irmãos encarnados que aplicam passes nas condições em que você está explicitando?

Instrutor – Muitos os que melhor entenderam o processo evolutivo da doutrina, aqueles que já sabem que a prática do bem sempre é possível.

Gabriela – Então, diga-me, como proceder quando alguém está necessitado?

Instrutor – Simples, dirija seu pensamento ao Mestre Jesus, peça auxílio dos irmãos que lhe assistem espiritualmente e direcione suas energias amorosas para o necessitado, verá que em poucos segundos ele vai se acalmando, relaxando e entra em estado alfa espiritual. Experimente, observe os resultados.

Escritor: Roberto Camargo
Espírito: João Batista
Ed.Panorama

Bom Dia

A vida é uma roseira, ela precisa florir a vida inteira.
Enquanto uma vai nascendo, outras vão murchando e sobre a terra vão caindo.
Novos botões outra vez vão se abrindo e a roseira-vida segue florindo.
É através da renovação e da multiplicação que vemos o milagre da vida. É na natureza, que descobrimos e conhecemos, Deus.
Somos os botões –vida, e nossa missão é ser feliz
e colorir a Terra.

Seja feliz, Deus assim o quer!


abraço Angel

quinta-feira, 25 de março de 2010

Mediunidade


No trato da mediunidade, não andemos à cata de louros terrestres, nem mesmo esperemos pelo entendimento imediato das criaturas.
Age e serve, ajuda e socorre sem recompensa.

Recordemos Jesus e os fenômenos do espírito.
Ainda criança, ele se submete, no Templo, ao exame de homens doutos que lhe ouvem o verbo com imensa admiração, mas a atitude dos sábios não passa de êxtase improdutivo.

João Batista, o amigo eleito para organizar-lhe os caminhos, depois de vê-lo nimbado de luz, em plena consagração messiânica, ante as vozes diretas do Plano Superior, envia mensageiros para lhe verificarem a idoneidade.

Dos nazarenos que lhe desfrutam a convivência, apenas recebe zombaria e desprezo.

Dos enfermos que lhe ouvem o sermão do monte, buscando tocá-lo, ansiosos, na expectativa da própria cura, não se destaca um só para segui-lo até à cruz.

Dos setenta discípulos designados para misteres santificantes, não há lembrança de qualquer deles, na lealdade maior.

Dos seguidores que comeram os pães multiplicados, ninguém surge perguntando pelo burilamento da alma.

Dos numerosos doentes por ele reerguidos à bênção da saúde, nenhum aparece, nos instantes amargos, para testemunhar-lhe agradecimento.

Nicodemos, que podia assimilar-lhe os princípios, procura-lhe a palavra, na sombra noturna, sem coragem de liberar-se dos preconceitos.

Dos admiradores que o saúdam em regozijo, na entrada triunfal em Jerusalém, não emerge uma voz para defendê-lo das falsas acusações, perante a justiça.

Judas, que lhe conhece a intimidade, não hesita em comprometer-lhe a obra, diante dos interesses inferiores.

Somente aqueles que modificaram as próprias vidas foram capazes de refleti-lo, na glória do apostolado.

Pedro, fraco, fez-se forte na fé, e, esquecendo a si mesmo, busca servi-lo até à morte.

Maria de Magdala, tresmalhada na obsessão, recupera o próprio equilíbrio e, apagando-se na humildade, converte-se em mensageira de esperança e ressurreição.

Joana de Cusa, amolecida no conforto doméstico, olvi¬da as conveniências humanas e acompanha-lhe os passos, sem vacilar no martírio.

Paulo de Tarso, o perseguidor, aceita-lhe a palavra amorosa e estende-lhe a Boa-Nova em suprema renúncia.

Não detenhas, assim, qualquer ilusão à frente dos fenômenos medianímicos.

Encontrarás sempre, e por toda parte, muitas pessoas beneficiadas e crentes, como testemunhas convencidas e deslumbradas diante deles; mas, apenas aquelas que transfiguram a si mesmas, aperfeiçoando-se em bases de sacrifício pela felicidade dos outros, conseguem aproveitá-los no serviço constante em louvor do bem.

livro :SEARA DOS MÉDIUNS
FRANCISCO CÂNDIDO XAVIER
DITADO PELO ESPÍRITO EMMANUEL

A melodia do Silêncio


Repara a melodia do silêncio nas criações divinas.

No Céu, tudo é harmonia sem ostentação de força.

O Sol brilhando sem ruído...

Os mundos em movimento sem desordem...

As constelações refulgindo sem ofuscar-nos...

E, na Terra, tudo assinala a música do silêncio, exaltando o amor infinito de Deus.

A semente germinando sem bulício...

A árvore ferida preparando sem revolta o fruto que te alimenta...

A água que hoje se oculta no coração da fonte, para dessedentar-te amanhã...

O metal que se deixa plasmar no fogo vivo, para ser-te mais útil.

O vaso que te obedece sem refutar-te as ordens...

Que palavras articuladas lhes definiriam a grandeza?

É por isso que o Senhor também nos socorre, através das circunstâncias que não falam, por intermédio do tempo, o sábio mudo.

Não quebres a melodia do silêncio, onde tua frase soaria em desacordo com a Lei de Amor que nos governa o caminho!

Admira cada estrela na luz que lhe é própria...

Aproveita cada ribeiro em seu nível...

Estende os braços a cada criatura dentro da verdade que lhe corresponda à compreensão...

Discute aprendendo, mas, porque desejes aprender, não precisas ferir.

Fala auxiliando, mas não te antecipes ao juízo superior, veiculando o verbo à maneira do azorrague inconsciente e impiedoso.

«Não saiba tua mão esquerda o que deu a direita» — disse-nos o Senhor.

Auxilia sem barulho onde passes.

Recorda a ilimitada paciência do Pai Celestial para com as nossas próprias faltas e ajudemos, sem alarde, ao companheiro da romagem terrestre que, muitas vezes, apenas aguarda o socorro de nosso silêncio, a fim de elevar-se à comunhão com Deus.

Memei

Livro: Instruções Psicofônicas
Grupo Meimei