segunda-feira, 13 de dezembro de 2010

A MEDIUNIDADE E O ESTUDO DOUTRINÁRIO

A ferramenta de ajuda regenerativa, a Mediunidade, há que estar sempre bem afinada.
Esta assertiva, repetida incansavelmente, ainda parece não encontrar ouvidos entre nós, médiuns.
Fala-se e repete-se o chavão “Orai e Vigiai” maquinalmente, esquecendo-se, a maioria de nós, de exemplificarmos o que asseveramos. Por isso, médiuns e mensagens, por vezes repetidas, desencontram-se, na inobservância do aviso do Mestre.
Se muitos de nós, médiuns, ainda desconhecidos do grande público espírita, em nosso trabalho na Seara, damos ouvidos à voz que nos chama à conquista da notoriedade, descuidando-nos assim do tão conhecido bordão acima empregado. Acabamos, então, por deixar abertas as portas de nossa casa mental ao acolhimento de espíritos embusteiros, brincalhões ou mesmo de maus espíritos. Tornando-nos, por este motivo, joguetes em suas mãos e fascinados, perdemos o contato com meio espírita, e, as vezes, por conta própria, seguindo a estes “mentores” nos afastamos do bom caminho, adoecendo mais ainda.
O orgulho, a cobiça, a vaidade, são estes cancros morais, escolhos que encontram médiuns que descuram de sua responsabilidade no trabalho mediúnico.
Entendamos este artigo irmãos, não como uma admoestação, mas antes como uma advertência para que nos mantenhamos em vigília constante, não descurando nem do estudo nem da moral, condição primeira para um trabalho mais positivo e profícuo, que nos possibilita andar com passos firmes na Seara Bendita.
O médium, este trabalhador do Bem, não deve e não pode se escusar de se manter sempre no estudo doutrinário, afinando o seu instrumento mediúnico pelas aquisições advindas deste mesmo estudo e dessa vigília moral.
Infelizmente, o que notamos no seio do Movimento Espírita Brasileiro é um profundo desconhecimento da doutrina professada e notadamente em sua base fundamental – a Codificação.
Parece-nos, que o pensamento corrente é o do estudo de escritores renomados da modernidade, seja o instrumento que abrirá as portas do conhecimento maior ao espírita em geral. Vemos então, as casas espíritas, esmerando-se em colocarem cursos dos mais variados tomando por bibliografia, Hermínio, Manoel Philomeno e outros, e geralmente esses estudos terminam invariavelmente envoltos em dúvidas não resolvidas, por que?
Por que falta ao estudante destas casas, o ensino das Obras básicas, a resposta é fácil, não?
Somente a solidez do conhecimento haurido pelo estudo da codificação é que dará a qualquer estudante o ingresso à literatura mais moderna, mas nem por isso mais importante que a base fundamental.
Conhecimento doutrinário não se consegue queimando etapas.
Irmãos, reforcemos nossos estudos doutrinários para que estejamos sempre melhor preparados para o Trabalho no Bem.
Disciplina, disciplina, disciplina, é o ensino dos bons espíritos que advertem:
“Humildade, humildade, humildade”.

Raimundo de Moura Rêgo Filho
Terra Espiritual

2 comentários:

Anônimo disse...

Como um novato, eu estou sempre em busca de artigos que podem me ajudar. Obrigado Wow! Obrigado! Eu sempre quis escrever no meu site algo como isso. Posso tomar parte do seu post no meu blog?

Angel disse...

Novato sempre seremos!quanto mais conhecimento buscamos mais descobrimos que sabemos pouco.Fique a vontade na sua pesquisa, afinal a melhor coisa que podemos fazer é divulgar o conhecimento, ajudando na conscientização das pessoas. Manda o endereço do seu blog! abrç